Poesia em Curso ou a Outra Margem ou Luz Letras


 

Poema Alvo

Este é o poema alvo,

incauto,

oficial e ligeiro,

tiroteio que queima

a calma;

é um estalido seco

nestas horas histéricas,

é o medo degredo

do livre,

é os olhos em cenas

covardes,

é o bem e o mal

que depende do lado,

é sombra amorfa

espreitando a realidade,

é o buraco fatal

e mortífero fim,

sendo assim, é o agora!

 

E o poema alvo,

quem diria,

termina rubro.

 


Rafael Puertas de Miranda - Poeta - Mogi das Cruzes - SP



Escrito por Rafael às 16h37
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
Histórico


Categorias
Todas as mensagens Citação



Votação
Dê uma nota para
meu blog



Outros sites
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis
 Crítica Literária